1 ano!!!

Gente, dá um frio na barriga!!

Começo hoje a contagem regressiva, e é impressionante como lembro de, 3 meses atrás, as pessoas falarem que ainda faltava muito tempo, e agora parecer que não vai dar tempo de tudo!

Duas coisas tem me tirado o sono: buffet e decoração.

Buffet porque todo mundo disse que eu não precisava me preocupar com isso, pois todos os buffets ficam disponíveis até bem perto da festa e pimba! Já recebi vários ‘não tenho mais essa data’, e tenho achado o atendimento dos buffets muito precários.

E por que a decoração? Porque eu não consigo imaginar a festa pronta, na minha cabeça! Tenho mil inspirações, muitas coisas de que gosto, mas não consigo visualizar exatamente aquilo que acho que eu amarei e terá a nossa cara, sabe?! Complexo…

Outra coisa na qual tenho pensado bastante é o vestido. Não queria pensar nisso antes, coloquei um prazo longe pra escolher (fevereiro), mas agora já estou sentindo que fevereiro está na porta, e eu não to preparada ainda pra tomar essa decisão! rs

Não consigo me estressar de verdade com nada disso, sabem por quê? Penso o seguinte: só tem problemas com festa quem tem uma festa. Ou seja, poder organizar um casamento, com tudo o que eu sempre sonhei e com um noivo maravilhoso e tão participativo já é tudo de bom… As intercorrências fazem parte! Mas que às vezes dá uma preguicinha, isso dá! rs

E como eu estava preocupada com o pôr-do-sol na hora do casório, e o digníssimo noivo diz que nós moramos mais a oeste do que Niterói (!) e, portanto, aqui o sol se põe mais tarde, pedi à dinda Pri que tirasse foto do céu, exatamente às 19h. Agora falta tirar uma às 19h30, mas fiquei com essa, que já me deixou muito feliz, por ver que ainda é dia! :)

Fofurices do Noivo

Semana passada, o noivo provou e comprovou que quer mesmo casar! Pegou 10 dias de férias, e fomos pro Rio, para resolver as coisas mais urgentes do casamento. Ficamos lá durante 1 semana, só conseguimos ir à praia 2 vezes, e ele não quis cancelar o casamento! Tá certo que ele ficou meio mal humorado algumas vezes, mas não posso tirar a razão dele! rs!

Depois de toda essa maratona, ainda passamos o fim-de-semana conversando e pensando em quais itens iríamos manter e quais outros iríamos cortar, devido ao orçamento que temos…  Resultado?

Durante essa madrugada, eu o acordei sem querer, me mexendo, e ele, meio acordado, meio dormindo: “agora deixa eu voltar a sonhar com você entrando na igreja pq quero te ver vestida de noiva”.

 ♥ Tem como não amar? =)

A Casa de Festas

No final de 2011, nós fizemos uma peregrinação pelas casas de Niterói. Eu já sabia de quais gostava e qual era a minha preferida, mas o Mau, como é de São Paulo, não conhecia nenhuma. Não fomos a nenhum clube, pois eu já sabia de antemão que não queria clube. Em geral, os clubes são mais baratos, mas desse item eu não abria mão. Meu sonho mesmo era casar em um sítio – coisa muuuuito complicada em Niterói. Então, uma casa bem bomita pra compensar! ;-)

Começamos pela Fortaleza de Santa Cruz, que tem um restaurante dentro, o Zéfiro. O visual é muito bonito, o espaço do restaurante é muito bom pra uma festa não muito grande, e tem a vantagem de que, fechando com o buffet deles, você não paga aluguel pelo espaço. Achamos a proposta boa, mas eu encuquei com algumas peças marítimas da decoração. Elas são fixas, e achei que não tinha muito a ver com nosso estilo. Outro problema que encontramos foi em relação ao acesso. Teremos muitos convidados de outros estados, e não queremos ninguém perdido pelo meio do caminho! Sendo assim, partimos pra próxima…

Maison Cascade dispensa apresentações! Eu não conhecia pessoalmente, só por fotos, mas – apesar de ser muito bonita – não faz o meu estilo. É muito pomposa, com tudo de vidro, muitos espelhos antigos e lustres de cristais. Os pontos altos? O acesso muito fácil, a super proximidade com a igreja que escolhemos e um jardim espetacular. Então, fomos lá. De fato, o salão principal é exatamente como eu descrevi aí em cima. O que eu não sabia é que lá existem dois outros salões. Um deles, bem menor que o principal e muito mais adequado aos nossos aproximadamente 150 convidados, é uma gracinha. Mais rústico, mais aconhegante, quase ideal. O problema? Um elefante branco em forma de bar, bem no meio do salão. Uma coisa meio despropositada, na minha opinião, e que enfeia e atrapalha. Tirando isso, tudo lindo. O atendimento também foi muito bom.

Da Maison, fomos para o Solar Imperial. Gostamos bastante do espaço como um todo. Tem um jardim muito bonito, que comporta perfeitamente uma cerimônia no local. Só que o salão em si é tudo o que eu não queria: um quadrado branco. Se o salão fosse integrado ao jardim, seria perfeito e lindíssimo. Mas, desse jeito, não curti. Além disso, saímos de lá sem saber os valores, as condições, tudo. A pessoa que atendia não estava, pediu pra esperarmos, pois estava chegando, mas nunca chegou. Depois, consegui o orçamento por e-mail. Uma coisa boa de lá é que eles oferecem as mesas e cadeiras, coisa que a maioria das casas de festas não faz.

Por motivos geográficos, a minha casa preferida foi a última que visitamos. Eu já sabia que nenhuma outra estaria à altura do If Espaço Múltiplo. Tenho algumas amigas que não gostam de lá, mas – pra mim – é disparada a casa mais linda de Niterói. Os problemas? O maior de todos é que é também disparada a mais cara. Além disso, é longe, o acesso não é muito fácil. E é enorme, o que complicaria pra nós dois, já que queremos convidar aqueles que são realmente próximos da gente. Imagina colocar 150 pessoas em um espaço projetado para 400! Vocês devem estar se perguntando: mas e a opinião do Mauricio? Eu não fazia ideia do que ele acharia!! Eu já tinha falado tanto de lá pra ele, que meu medo era ter criado expectativa demais e ele se decepcionar! rs! Mas não teve jeito… Quando saímos de lá, ele disse: “Amor, sem dúvida, essa casa não tem nem comparação com as outras. É muito bonita! É cara também, mas, se isso for muito importante pra vc, a gente prioriza isso e faz aqui”. Dei pulinhos, né?! Imaginem!!

Bom…. Quase 1 ano se passou… E nós resolvemos adiantar o casamento. Antes, estávamos nos programando pra casar em 2014, mas no meio do caminho resolvemos casar em 2013. Claro que isso reduziu bastante nosso orçamento. Mesmo assim, liguei pro If, pra ver se ainda tinham nossa data, pois havíamos feito uma pré-reserva. Apesar de a menina ter dito que me ligaria, caso alguém se interessasse por aquela data, ela não ligou, e disse que a data já estava ocupada. fiquei chateada. Além disso, resolvemos mesmo que casaríamos na igreja. Considerando preço, localização, beleza, atendimento….

Fechamos com a Maison Cascade!

20121006-152259.jpg

A Data

20121004-101943.jpg

Eu sempre quis casar em setembro.

– Mas, Paula, por que setembro? (O Mauricio tb perguntou isso, logo que começamos a falar de datas)

– Porque em setembro a temperatura é mais amena, e eu morro de medo de fazer os convidados derreterem em suas roupas de festa. Porque não chove muito. Porque já é primavera (eu queria nos dois últimos fins-de-semana, justamente por isso). E porque os dias costumam ser muito bonitos!

Eu até falei isso tudo pra ele… Mas, no final, arrematei: frescura de noiva, amor! Quero casar em setembro, na primavera, esse é meu capricho. Noiva pode ter capricho, né? rsrs Ele respondeu que pode! Não posso reclamar do meu noivo nesse aspecto… Ele “compra” todos os meus sonhos (provavelmente, não conseguiremos realizar todos, mas ele sempre tenta!).

O problema é que eu não sou exatamente uma exceção. Aparentemente, setembro é o novo maio, então tínhamos que correr, pra tentar conseguir uma das datas que eu queria. Por isso, fomos à igreja escolhida (falo sobre ela em outro post), no dia seguinte ao noivado!

E consegui algo em setembro? Claro que não! rs A igreja até tinha alguns dias disponíveis, mas eles não casavam com a disponibilidade da casa de festas. Isso é muito importante, gente! Quando for marcar o casório, certifique-se de que a igreja e a casa tem a mesma disponibilidade. Nós optamos por ir à igreja e, de lá, ligar para a casa de festas e ir comparando as datas. Fizemos isso porque a nossa igreja escolhida é muito procurada, nós não abríamos mão dela, e eles não dão informações de data por telefone. Mas, se a sua prioridade for a casa ou o salão, talvez seja melhor fazer o contrário.

Muitos calendários depois, pensando em horário ideal, temperatura, horário de verão, feriados…. Chegamos a nossa data: 09/11/13. Ficou até bonito, né?! =)

O Pedido

É engraçado como que sempre perguntam como foi o pedido! Sério, eu me espantei com isso, e ainda me espanto quando as pessoas perguntam.. Mas eu acho legal, é interessante perceber como muitos ainda curtem e valorizam o romantismo e as tradições! :-)

Bem, o “pedido” teve um fato engraçado: O Mauricio reclama até hoje porque eu não chorei!! Eu acho que não chorei porque já tínhamos falado tanto sobre isso e eu já estava esperando que seria naquela época, então diminuiu o efeito surpresa. Mas o principal, e que muitos não sabem, é que – pra mim – o verdadeiro pedido de casamento já tinha acontecido há muito tempo! Bom, eu e o Mau estamos namorando desde o primeiro beijo, isso é fato. Inclusive, é essa a data de aniversário do nosso namoro, mas teve um pedido oficial e muito romântico! Nós estávamos sentados em um banco de uma pracinha em Itu (onde ele morava na época e onde nós moramos atualmente – depois de ele mudar de cidade 3 vezes), em um dia muito gostoso de passeios e paparicos, e ele fala assim: “Então, quando vc vai me pedir em namoro?” Claro que eu respondi que não faria isso, pois quem tinha que pedir era ele!! E ele responde: “Mas, se eu te pedir em namoro, não vou poder pedir em casamento! Temos que alternar, então me pede em namoro você!” Estou errada em achar que o pedido oficial foi esse??? ♥

Bom, mas vamos ao (segundo) pedido, hehehe: Em agosto, nós decidimos que iríamos ficar noivos, marcar a data do casamento e morar juntos. A decisão de morar juntos foi porque morávamos em cidades diferentes, nos víamos pouco e morríamos de saudade um do outro. Em julho, o Mauricio foi transferido pra uma cidade um pouco mais perto de São Paulo. Eu continuaria com minhas obrigações profissionais em São Paulo, mas moraria com ele em Itu, engrossando a fatia da população que pega fretado todos os dias (e viva o amor!). Com isso, escolhemos um apartamento que fosse confortável o suficiente, mas barato o suficiente pra que pudéssemos investir em uma festa de casamento. Levamos pra lá objetos pessoais, mas a mudança só iria no início de setembro, devido a algumas questões burocráticas. Por conta disso, eu continuei morando em São Paulo, até o fim de agosto.

Era uma sexta-feira, em que viajaríamos pra Niterói, pois eu seria madrinha de casamento da Priscila e do Thiago (nossos dindos agora também), no dia seguinte. Passei a manhã em São Paulo fazendo gráficos que o meu orientador pediu de última hora, e parti pra Itu pra encontrar o Mauricio, pois nosso voo saía de Viracopos. Cheguei lá suuuuper em cima da hora (não tanto assim, mas o Mauricio é excessivamente pontual!) e corremos ao apartamento (vazio), pra trocar de mala, pois a minha estava muito pequena. ~ Pausa pra contar que o Mauricio tinha criado toda uma história de que me pediria em casamento no Pão de Açúcar, pois foi onde demos o primeiro beijo. Depois, ele disse que inventou isso só pra despistar, e eu até hoje não sei dizer se acredito ou não! rs ~ Quando chegamos ao apartamento, ele me segurou 10 minutos do lado de fora, com a chave na fechadura, perguntando se o casamento da Pri e do Thiago estava me inspirando, se eu conseguia me imaginar no lugar deles, se eu tinha certeza de que queria ficar com ele pra sempre… E eu já imaginando tudo, né!! Depois ele pergunta por que eu não chorei! rs! Bem, depois disso tudo, quando ele decidiu abrir a porta, estava lá um lindo bouquet de rosas vermelhas (as primeiras flores que ele me deu!), junto com a caixinha das alianças que nós tínhamos escolhido meses atrás!

Então, ele perguntou se eu queria casar com ele e ficar com ele pra sempre e tudo mais e eu respondi que sim, afinal, é tudo o que eu mais quero! E ele explicou que, como aquele era o lugar em que iríamos, de fato, começar a vida juntos, ele achava que era o lugar ideal pra fazer o pedido. Eu sempre digo que eu sou boa pra escrever, mas o Mau é tão bom pra falar! Ele fala coisas lindas e espontâneas q eu nunca conseguiria dizer. E é sempre preocupado com os significados. Então… foi isso! Noivos! Cinco segundos depois, ele começou a me apressar, dizendo que estávamos “atrasadíssimos”, que iríamos perder o voo, que o mundo ia acabar… e nós saímos correndo (e depois ele reclama que eu não chorei, mas foi muita pressão, gente!). E chegamos TÃO, mas TÃO atrasados, que conseguimos pegar o voo anterior ao nosso! Esse é o meu noivo… :p

Com tanta pressa, a foto só foi rolar no avião!